Simbolismo da Coluna

por | Corpo, Simbolismo

06

ABRIL, 2017

A coluna vertebral é um eixo importantíssimo do nosso corpo. Há pessoas que estão constantemente curvadas, outras que andam graciosamente retas, algumas que ficam como que largadas e pendendo para qualquer lado e umas ainda que são tão retas e rígidas que parecem soldados.

A coluna vertebral é formada por uma sequência de vértebras intercaladas por articulações. Das diferentes regiões de nossa coluna – cervical, toráxica, lombar e pélvica – saem inervações para regiões distintas do corpo.  De um ponto de vista anatômico, a coluna é a região que traz as informações da periferia do corpo para o centro organizador e do centro organizador para a periferia. Sem ela, não há ligação entre a terra de nossas sensações e o céu de nossos pensamentos. Assim sendo, é bom que ela esteja firmemente enraizada lá em baixo, na base dos nossos instintos, e se estique firme e flexível até alcançar a ramagem de nossos braços – com tudo bem integrado, quem sabe nossas ações possam até dar bons frutos!

Integridade com relaçãos aos próprios valores

Por estar no centro do corpo, a coluna também o divide em direita e esquerda. Ter a consciência desta divisão é saber que uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa e que ambas podem coexistir e se complementar. A coluna o sustentáculo do corpo, imagine só não a ter!

“Quando se tem uma boa coluna […] pode-se escutar o seu desejo mais íntimo sem medo de desagradar os outros. E deixar-se inspirar pelas solicitações da vida” – Jean-Yves Leloup

Sendo o pilar, é a estrutura que nos permite passar pelas dificuldades da vida sem nos curvarmos diante delas. A coluna está diretamente relacionado à palavra pois a linguagem, em boa parte, carrega em si instruções de como codificar nossos sentimentos, de como lidar com eles, de como nos ver e de como ver os outros. A forma com que falam conosco tem um enorme papel na maneira com que nos estruturamos e, futuramente, como encaramos a vida. Neste sentido, a coluna está diretamente ligada à nossa ancestralidade, a forma com que nossos antepassados foram falando com seus descendentes até chegar em nós foi ajudando a modelar a forma com a qual nossos ancestrais se erguiam diante da vida.

“As colunas garantem a solidez da construção. Enfraquecê-las é ameaçar o edifício inteiro. Por isso são tomadas com freqüência pelo todo”

Chevalier & Gherrbrant

Sendo aquilo que nos permite ficar eretos, retos, é na coluna também que habita a nossa retidão, ou seja, nossa capacidade de seguir um caminho reto sem desvios. Mas é importante que a coluna também tenha sua flexibilidade, uma coluna excessivamente rígida não permite nos curvarmos quando necessário para prestarmos reverência e respeito àqueles que merecem ou passarmos por um lugar em que não conseguiremo passar se empertigados. Por outro lado, uma coluna excessivamente flexível, que pende para os lados pode tornar difícil manter nossa retidão, nossa própria altura, podemos perder o respeito por nós mesmos e o respeito dos outros.

Uma coluna saudável é aquela firme e flexível, que nos permite seguir de cabeça erguida e sem desvios desnecessários diante dos obstáculos da vida. Ela é desta forma, o pilar da nossa dignidade, da capacidade de reconhecermos e respeitarmos nossos próprios e inspirarmos respeitos naqueles à nossa volta. E, por falar nisso tudo, a quantas anda sua coluna?

Afim de saber quando saírem novos textos?
Assine a newsletter!